interrogacao

 

 

Porquê não haveria de ter flores no meu caminho?
Porquê os meus sonhos me dariam calafrios ?
Porquê a sombra de uma árvore, revelaria espinhos?
Porquê o medo deveria ser meu vizinho?

Às vezes vejo tudo colorido
Às vezes vejo o amor escondido
Às vezes vejo sempre os mesmos perigos
Às vezes vejo os sonhos perdidos

Sei que nem todas as portas estarão abertas
Sei que na minha cidade há ruas desertas
Sei que nem sempre tenho a palavra certa
Sei também, que a vida é uma promessa

O rio descansa no seu leito
O amor explode aqui no peito
O medo invade sem respeito
E o tempo encobre do seu jeito

A vida é uma ponte, um caminho
O amor é uma  fonte de espinhos
O tempo nos rouba de mansinho
E eu sonhando vejo a vida de pertinho

Então fujo de tudo que é real
Publico o que eu penso num jornal
E vejo que ser louco é normal
Evita que a dor se esconda no meu quintal

Porque há de haver flores no meu caminho
Porque posso sonhar sem calafrios
Porque a sombra da minha árvore não tem espinhos
Porque não vou ter só o medo como vizinho

Porque vou sempre achar um jeito de olhar
Porque sempre vou achar um jeito de  abraçar
Porque sempre vou achar um jeito de amar
Porque sempre vou achar um jeito de sonhar.