pinguela02

 

 

Mais uma vez
Olhando, buscando outra direção
Mais uma vez
Atravessando o rio no corrimão
Mais uma vez
A ponte perdeu o chão
Mais uma vez
A estrada fugiu levando meu universo
Mais uma vez
O avesso dos meus versos
O meu olhar buscando suas mãos
E outra vez sangrando o coração
E como se não bastasse
De novo esse impasse
Eu me procuro e não me acho
Eu me vejo e não me abraço
Eu te desejo  e te afasto
Quero seu beijo mas disfarço
E o colorido da estrela se desfaz
E é só agonia que o vento traz
O horizonte é um destino desconhecido
Sob meus ombros trago o que não foi vivido
E o que me  faz confessar o medo do amanhã
São os espinhos protegendo meu talismã
E enquanto a estrada corre, eu fico aqui parado
E enquanto você foge, eu fico do seu lado
E vejo que as flores que enfeitam as orla dos caminhos
Tem cheiro, tem beleza, tem vida, solidão e espinhos
Também sei que a chuva mansa rega trazendo vida
E o amor é  como o sol do deserto, que queima e faz feridas
O amor é como um temporal devastando a plantação
É como uma fornalha queimando o coração
É como ventania arrancando seu telhado
É como no frio ,ter que dormir molhado
Então mais uma vez eu não vejo nada
Então mais uma vez  eu fiz a coisa errada
Porque mais uma vez sou o bobo na janela
Eu vejo a vida rir enquanto eu passo por ela
Vejo que o tempo é uma flecha envenenada
E o que eu falo, o que eu sinto, o que penso, vele quase nada.